Blog do Abilio Diniz

Arquivo : março 2016

Seleção e SPFC ameaçam paixão pelo futebol
Comentários 48

Abilio Diniz

O empate da seleção brasileira contra o Paraguai na terça-feira trouxe muita angústia, aflição, tristeza e preocupação. Se o Brasil não mudar urgentemente, a classificação para a Copa da Rússia ficará cada vez mais difícil. A esperança não é grande, e já sabemos que os cartolas da CBF não entendem de futebol.

Um dia depois do desastre da seleção, assisti ao empate do São Paulo com o Linense arrancado no último minuto dos acréscimos.

Será que a essa altura da vida vão conseguir fazer com que eu esmoreça a minha paixão pelo futebol? É constrangedor ver o SPFC de hoje. Não dá para comparar a qualidade dos jogadores do São Paulo e do Linense, mas o Linense tinha uma proposta clara de jogo, defensiva, tentando jogar no contra-ataque e aproveitando as inúmeras falhas da defesa tricolor.

E o São Paulo? Qual ê o esquema tático e qual é a proposta de jogo? Isso não existe, e não existe comando. Até quando vão dizer que estão fazendo uma reestruturação e que é preciso dar tempo para que funcione? Quanto tempo vão levar para descobrir as limitações do Bauza?  E os sábios do Morumbi ainda têm coragem de dizer que no meio do ano vão reforçar o elenco. Com que dinheiro? O clube não precisa de jogadores, precisa de competência, mas isso não existe no Morumbi.

Existem incompetentes, e eles são os únicos responsáveis por esse momento tão triste que o São Paulo está vivendo.


Empate no fim não apaga fraco desempenho do Brasil
Comentários 18

Abilio Diniz

É incrível como os times refletem a capacidade de seus dirigentes.

Apenas os fraquíssimos cartolas encastelados no comando da CBF não conseguem ver que, com este futebolzinho que o Brasil está jogando, não iremos a lugar nenhum e vamos acabar ficando fora da Copa da Rússia.

Vocês já imaginaram a tristeza de todos os brasileiros? Outro vexame seguido depois do terrível 7 a 1 na Copa?

O Brasil vem jogando mal faz tempo e contra o Paraguai conseguiu ser um pouco pior. Defesa com falhas grosseiras de posicionamento, meio de campo inexistente, passes errados, enfim, um time que não está, nem de longe, à altura do futebol brasileiro.

No segundo tempo Dunga ousou mexer, trocando Fernandinho por Hulk, mas não teve nem tempo de ver o resultado, porque o Paraguai marcou o segundo gol logo aos cinco minutos, novamente numa falha grotesca da defesa brasileira.

Pobre seleção brasileira. O retrato do time era seu técnico, Dunga, desanimado na beirada do campo, mostrando claramente que não sabia o que fazer.

Mesmo com tudo isso, o Brasil ainda conseguiu diminuir com Ricardo Oliveira, após chute de Hulk e falha do goleiro paraguaio. E ainda no final, o que parecia impossível aconteceu: Daniel Alves, de pé esquerdo, empatou o jogo.

A seleção comemorou como se fosse o gol de um título, mas nada disso esconde a fragilidade do time brasileiro.


Mais um empate sem graça do São Paulo
Comentários 27

Abilio Diniz

Em um clássico recheado de desfalques, o São Paulo apenas empatou com o Santos, na Vila Belmiro por 1 x 1. Mais uma vez o time de Bauza não conseguiu mostrar qualidade tática, nem evolução.

Ainda não foi desta vez que vimos um bom jogo do São Paulo neste ano. Isso é o que mais me preocupa. As partidas se sucedem e não vejo uma equipe bem montada em campo.

Ficamos todos torcendo pelo momento em que haverá uma exibição de gala, mas isso não acontece.

Falar novamente sobre os problemas táticos do São Paulo é chover no molhado. Não é de hoje que o time sofre contra rivais com bons esquemas de jogo. Uma equipe que está há dez partidas sem vencer clássicos regionais, claramente está apresentando problemas.

Se seguir dessa maneira, é óbvio que o time vai continuar patinando em jogos mais complicados. E às portas da definição da vaga na Libertadores e afunilando o Campeonato Paulista, essa falta de qualidade poderá ser fatal.

Tenho escrito há muito tempo. O São Paulo precisa de grandes mudanças. E para ontem. Corremos sério risco de sermos coadjuvantes nas competições deste ano se nada acontecer.


Seleção Brasileira: Empate com sabor de derrota
Comentários 7

Abilio Diniz

Depois de estar ganhando por 2 x 0, o Brasil cedeu o empate, se descontrolou e quase foi derrotado pelo Uruguai, no Recife. O time até que começou bem, fazendo o primeiro gol com 40 segundos de jogo e após o segundo, deu a impressão que poderia golear.

 

Jogando bem do meio para frente, sem centroavante fixo, mas com muita mobilidade e variação de jogadas, a Seleção dominou o jogo no primeiro tempo, até a marcação do gol do Uruguai, numa falha grotesca de posicionamento de Filipe Luis e de David Luiz. Aliás, a defesa foi de enorme vulnerabilidade durante todo o jogo.

 

No começo do segundo tempo o Uruguai empatou, novamente em falha de posicionamento e mais um erro de David Luiz. Daí até o final do jogo, foi um show de horrores. No segundo tempo só deu Uruguai. Luiz Suárez ainda perdeu um gol feito, numa defesa de Allison com o pé, após mais uma falha ridícula de David Luiz.

 

Dunga tentou alguma coisa, mas nada funcionou, principalmente pela insegurança e intranquilidade do time. Colocou Philippe Coutinho no lugar de Fernandinho, abrindo mão de dois volantes de contenção – acho até que já deveria ter feito isso desde o início, com Renato Augusto no lugar de Fernandinho.  Depois, colocou Ricardo Oliveira no lugar de Douglas Costa mudando o esquema de jogo, mas Ricardo mal pegou na bola. Por fim colocou Lucas Lima no lugar de Willian, mais por cansaço. Mas nada adiantou.

 

O empate até que saiu barato. Para piorar o quadro, Neymar tomou cartão amarelo e está fora do jogo contra o Paraguai, em Assunção, na próxima semana

 

Foi impressionante a falta de equilíbrio emocional do time brasileiro. É incrível que jogadores experientes, que atuam nos times mais importantes do mundo possam perder o equilíbrio, cometer erros grosseiros e passar a jogar como um time de divisões inferiores, e não como a Seleção Brasileira.

 

O Brasil perdeu dois preciosos pontos jogando em casa, numa eliminatória duríssima e se não evoluir muito, corre o risco de frustrar o povo brasileiro ficando fora da Copa de 2018.

 

Estamos ainda muito no começo, mas com este futebol, Deus vai ter que mostrar que é realmente brasileiro para conseguirmos chegar à Rússia.

 


Vitória magra não esconde erros do São Paulo
Comentários 18

Abilio Diniz

Mesmo jogando um futebol muito pobre, o São Paulo conseguiu vencer o Botafogo por 1 x 0 e se manteve na liderança de seu grupo no Campeonato Paulista, empatado com o Audax em número de pontos, mas na frente pelo saldo de gols.

Como torcedor, é evidente que um gol nos últimos minutos de uma partida, ainda mais de um atacante que não marcava fazia 11 jogos, traz um pouco de alívio. Mas não se pode querer tapar o sol com a peneira.

Apesar da liderança do grupo, o aproveitamento é muito ruim: pouco mais de 50% dos pontos conquistados. Se o São Paulo estivesse em uma chave mais forte, estaria fora da zona de classificação. Isso sem contar a situação desesperadora que o time se encontra na Libertadores, com sérias chances de não se classificar para a próxima fase.

Nesta quarta-feira, o São Paulo, mais uma vez, apresentou os defeitos gravíssimos que vem acompanhando o time desde o início deste ano. Estamos no fim de março e o time de Bauza ainda não fez uma partida de encher os olhos do torcedor.

Prova maior disso é que menos de três mil pessoas pagaram ingresso para ver o São Paulo ontem no Pacaembu. Alguém acha que o torcedor está satisfeito com o desempenho do time?

É para estar contente com um time que não sabe o que fazer com a bola, é lento nas transições, não tem nenhuma criatividade, nem jogadas ensaiadas? Não fosse Ganso, com seus gols e assistências, o São Paulo estaria em situação ainda mais complicada.

É muito pouco para um time da envergadura do São Paulo ter que ficar torcendo toda partida por um lance de habilidade individual de algum jogador.

Vencer é bom, mas ganhar com alto nível desempenho é muito melhor, porque dá sustentação e confiança à equipe. Quando enfrentou times com maior qualidade técnica, o São Paulo sofreu muito porque não teve competência para apresentar alternativas de jogo.

Domingo tem clássico contra o Santos. Nosso melhor jogador no ano, Ganso, não irá atuar porque levou o terceiro cartão amarelo. Mais do que nunca, vamos precisar do conjunto e do desempenho tático do time. É esperar para ver.


São Paulo empata e mostra os erros de costume
Comentários 40

Abilio Diniz

Tem sido muito difícil acompanhar os jogos do São Paulo ultimamente. Há momentos em que desanimo e gostaria até de deixar de assistir. Mas não consigo; meu lado torcedor sempre fala mais alto e sigo acompanhando na esperança que as coisas mudem.

Dentro das minhas possibilidades, procurei ajudar o São Paulo dando minhas opiniões dentro daquilo que sei e conheço, colocando empresas de auditoria e consultoria para que pudéssemos ter a real dimensão da situação do clube. Mas as coisas não evoluem.

Agora, esse tempo já passou e é duro assistir o São Paulo jogar esse futebolzinho medíocre e que não está à altura da grandeza desse clube tão importante.

É impressionante a incompetência da cartolagem de plantão. O São Paulo tem um bom elenco, até com alguns craques de qualidade. Não adianta cobrar vontade e garra dos jogadores. Eles não têm fugido da luta e fazem o que podem.

É claro que estão inseguros com a falta de resultados, mas estão brigando, lutando. Ganso é um destaque: está em grande forma e marcando gols.

O que eles precisam é de uma orientação correta, um esquema tático eficiente e jogadas ensaiadas que possam furar retrancas e resolver situações difíceis.

Falta liderança dentro e fora do campo. Precisam de apoio, compreensão e orientação clara do que fazer. E isso eles não têm.

Até quando os são-paulinos, sócios, torcedores e os próprios jogadores vão ter que sofrer?

Nem o mais otimista dos torcedores pode esperar por resultados melhores se as coisas não mudarem rapidamente.

Até quando a soberba vai preponderar sobre o simples e a competência?


São Paulo empata na Venezuela e se complica na Libertadores
Comentários 41

Abilio Diniz

Um resultado lamentável. Assim pode ser definido o empate contra o fraquíssimo time do Trujillanos. Com o resultado, o São Paulo ficou em situação desesperadora na Libertadores.

São-paulinos, é muito triste o que acontece com nosso querido clube. Os problemas se misturam dentro e fora do campo.

Acaba nem valendo a pena tentar comentar o jogo desta quarta-feira. O São Paulo jogou muito mal e foi totalmente incompetente.  Aliás, nada disso é novo; é mais do mesmo. Sob o comando de Bauza, o São Paulo tem jogado sempre mal, sem criatividade, ordem tática e jogadas ensaiadas.

Os equívocos da direção do SPFC se acumulam. Para que contratar um técnico estrangeiro de nível certamente inferior a muitos que temos aqui? O que explica estourar o caixa do time logo no mês de janeiro atrasando compromissos com os jogadores? Quem vai explicar a contratação do jogador Kieza para quase não atuar e agora, dois meses depois, cedê-lo ao Vitória?

Quem me acompanha por aqui sabe que eu tenho insistido muito nesse tema: o São Paulo tem que mudar. E os donos do clube, seus sócios e torcedores representados pelo Conselho, tem que ser o elemento desta mudança. Não dá mais para seguir assim. Passou da hora.


Esperando Cuca, Palmeiras bate o São Paulo
Comentários 39

Abilio Diniz

Com um técnico interino e vindo de uma derrota em casa na Libertadores, que resultou na demissão de Marcelo Oliveira, o Palmeiras foi mais competente e bateu o São Paulo neste domingo no Pacaembu.

O São Paulo foi melhor na primeira metade da etapa inicial e deu a impressão que venceria o jogo. Mas após os 25 minutos, o Palmeiras saiu do campo de defesa, avançou a marcação, passou a pressionar o São Paulo e equilibrou o jogo.

Aí o São Paulo novamente mostrou suas fragilidades. Não adianta reclamar dos jogadores e nem dar desculpa de ter jogado com um time misto, até mesmo porque o Palmeiras fez seus gols quando Ganso, Centurion e Calleri já estavam em campo.

Os jogadores lutaram e fizeram o que podiam, mesmo Michel Bastos, que participou pouco do jogo por estar confinado ao lado do gramado em um posicionamento totalmente equivocado.

Que Edgardo Bauza ainda não mostrou a que veio, está cada vez mais claro, mas tenho dito seguidamente que o problema é muito mais sério. A cartolagem do São Paulo é, no mínimo, profundamente incompetente.

É triste ter que fazer tantas críticas ao meu time do coração. É frustrante ter que acompanhar de longe o que acontece com o São Paulo neste momento.

Estamos observando uma gestão temerária, acompanhada de vários pedidos de verificações de contas de transações de jogadores, que, embora talvez necessários, acabam por trazer um clima de guerra interna e se traduzem na péssima condução do departamento de futebol.

Minha esperança é que os Conselheiros se unam e consigam trazer paz para o São Paulo, buscando pessoas capacitadas para dirigir o clube e que pensem no melhor para a instituição, e não apenas no seu conforto e bem-estar individual.


São Paulo consegue um bom empate em Buenos Aires
Comentários 41

Abilio Diniz

O São Paulo poderia ter saído da Argentina com uma vitória e isso não seria nenhuma surpresa diante do futebol apresentado pelas duas equipes.

O River Plate não jogou nada, parecia um timinho qualquer. A equipe argentina cometeu vários erros incríveis.

Apesar de não ter feito um primor de partida, ainda sofrendo por não ter um esquema tático definido e com pouca criatividade, o São Paulo usou a estratégia de se fechar na defesa e jogar no erro do adversário. Deu certo, e por muito pouco o time de Bauza não voltou ao Brasil com a vitória, o que melhoraria muito sua condição nesta Libertadores.

Outro ponto a se destacar foi o desempenho do árbitro. O São Paulo sofreu com a atuação do juiz que, em alguns lances duvidosos, acabou favorecendo sempre o time de casa em suas decisões.

É de se louvar o esforço dos jogadores. Não faltou garra e coração. Todos lutaram bravamente e supriram as falhas técnicas com muita entrega e disposição.

Os jogadores deram uma demonstração de que, além de profissionais, são homens de verdade. Ignoraram a postura ridícula e arrogante do gerente Gustavo Oliveira, que os cobrou e criticou em público através da imprensa, e foram à luta.

Quem sabe começa agora uma nova fase, de confiança e otimismo.

O São Paulo infelizmente hoje é muito mal dirigido, principalmente no futebol, e é por isso que decidi me afastar completamente da gestão, mas continuo são-paulino vibrando, sofrendo e torcendo por dias melhores.


São Paulo reflete em campo a má gestão dos cartolas
Comentários 81

Abilio Diniz

O São Paulo perdeu com um futebolzinho digno do momento conturbado que vive. A diferença de qualidade entre os jogadores do SPFC e do São Bernardo é imensa. Se o campeonato terminasse antes do jogo, o São Bernardo estaria rebaixado. Apesar disso, em alguns momentos o time grande, bem treinado, tocando a bola e com esquema tático definido era o São Bernardo.

O São Paulo continua sem esquema de jogo definido, sem jogadas ensaiadas e nunca chega à linha de fundo. Após mais de dois meses, Bauza ainda não mostrou a que veio.

Sou apreciador do futebol bem jogado e de esquemas táticos e dou muito valor ao trabalho dos técnicos. Fico pensando como o San Lorenzo foi campeão da Libertadores na mão de Bauza. O San Lorenzo é o time do nosso querido Papa Francisco, e com certeza ele deve ter rezado muito para o triunfo da equipe argentina.

Hoje o técnico Sergio Soares, que no passado trabalhou comigo no Audax, com um time muito inferior, deu um nó no técnico argentino.

Será que não temos no Brasil técnicos de categoria superior capazes de motivar e dialogar melhor com os jogadores? Claro que sim, mas não com a grife suficiente para satisfazer a cartolagem hoje encastelada no Morumbi, para quem sobra vaidade e soberba, mas falta humildade e competência.

Esses gênios do conhecimento da bola montaram a atual equipe técnica. Retiraram Milton Cruz da coordenação técnica com o pretexto de que estava ultrapassado e o afastaram do campo onde viveu toda a sua vida, justo ele, querido e respeitado pelos jogadores e pela torcida e responsável por salvar o São Paulo no ano passado ao colocar o time na Libertadores.

O São Paulo pode até vencer o River Plate na Argentina na próxima semana, o futebol é imprevisível. Mas o São Paulo precisa mudar. Os dirigentes não são os donos do clube e não podem continuar agindo como se o fossem. Os únicos e verdadeiros donos do São Paulo são seus sócios e seus torcedores, representados pelo Conselho Deliberativo, e eles precisam ser respeitados.

Acredito que os sócios, os torcedores e seus representantes no Conselho serão os agentes que mudarão o São Paulo e com isso ajudarão a transformar o futebol brasileiro.